EXERCÍCIO FÍSICO E SATISFAÇÃO COM A VIDA

Um estudo com adolescentes

  • Catarina Lucas Centro Terapêutico Catarina Lucas, Lisboa, Portugal.
  • Clémence Freitas ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, Portugal.
  • Cristina Oliveira Dept. de Psicologia, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal.
  • Manuela Machado Associação de Pais de Vila Pouca, Vila Pouca de Aguiar, Portugal.
  • Maria Monteiro Cooperativa de Educação e Reabilitação de Crianças Inadaptadas de Fafe, Fafe, Portugal.

Resumo

O presente estudo teve como principal objectivo investigar em que medida o exercício físico influencia a satisfação com a vida. A amostra foi constituída por 219 adolescentes, dos quais 109 do sexo masculino e 110 do sexo feminino com idades compreendidas entre os doze e os dezassete anos. A média de idades verificada foi de 14.42 anos. Foram utilizados como instrumentos para a variável “satisfação com a vida” a Escala de Satisfação com a Vida (SWLS) de Diener, Emmons, Larsen, e Griffin (1985), traduzida e adaptada por Neto (1990, 1993), e para a variável “exercício físico” foi utilizada a Escala de Actividade Física moderada a vigorosa de Prochaska, Sallis e Long (2001). Os resultados demonstraram que os indivíduos que praticam exercício físico apresentam maiores níveis de satisfação com a vida do que aqueles que não praticam exercício físico. Observou-se também que o sexo masculino apresenta maiores níveis de prática de exercício físico em relação ao sexo feminino, assim como maiores níveis de satisfação com a vida.

Publicado
Mar 16, 2018
Como citar
LUCAS, Catarina et al. EXERCÍCIO FÍSICO E SATISFAÇÃO COM A VIDA. PsychTech & Health Journal, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 38-47, mar. 2018. ISSN 2184-1004. Disponível em: <http://psychtech-journal.com/index.php/psychtech/article/view/psychtech-v1n2a04-2018>. Acesso em: 25 abr. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.26580/PTHJ.art8.2018.